Investimento Externo é Dívida?


Economia e Energia Ano XXIII  Nº  103 abril a junho de 2019
ISSN 1518-2932   

Disponível em: http://ecen.com.br e http://ecen.com

 

Palavra do Editor:

INVESTIMENTO EXTERNO = DÍVIDA EXTERNA?

A dívida externa é uma obsessão recorrente na história econômica brasileira[1]. Nos anos 1980 a sentíamos como um grilhão que prendia nosso destino aos bancos internacionais e impedia nosso desenvolvimento. Em 2007, foi anunciado o seu fim e ela praticamente desapareceu dos jornais durante uma década.

Hoje, ela ressurge como um limitante, mas segue ainda ignorada pela imprensa. A dívida externa tem uma nova cara, a parte bancária é neutralizada pelas reservas e ela é igual ao montante dos investimentos externos.

Sim, investimento externo = dívida externa.

Quem nos diz isto não é um nacionalista empedernido, é o FMI. Está claramente no seu Manual de Balanço de Pagamentos, sexta edição, BPM6 que o Banco Central adotou a partir de 2015.

O FMI determina que investimentos e reinvestimentos, assim como as aplicações em renda fixa de “não residentes”, fazem parte da dívida externa do País pela qual, direta ou indiretamente, nosso governo e em última instância seus cidadãos assumimos a responsabilidade.

Esta realidade não é de agora, mas só passou a ser colocada com todas as letras no texto da Nota para a Imprensa sobre o Setor Externo do Banco Central, a partir de março de 2019.

Nessa nova contabilidade, a situação é hoje muito menos tranquila do que faziam crer os textos das notas anteriores que, até então, camuflavam a real situação da dívida externa, só mostrada por inteiro nas tabelas a ela anexas.

Agora o retrato completo é mostrado no texto, não só da dívida, mas de todo o passivo externo computado na Posição Internacional de Investimentos – PII. Os números atuais voltam a merecer toda nossa atenção.

A dívida bruta externa esta próxima dos 700 bilhões de dólares e o total do Passivo Externo é mais do dobro disso, atingindo a cerca de 1,5 trilhões de dólares ou 80% do PIB.

Estar no negativo tem um alto preço. Uma parte é visível e outra nem tanto. No ano passado, os 54 US$ bilhões de superávit na balança comercial não foram suficientes para fechar nossas contas externas, ainda faltaram 14 bilhões de dólares. Para que isso ocorresse, nossas exportações teriam que superar as importações em 40%, atingindo US$ 68 bilhões.

Do lado invisível, estão as exportações subfaturadas, o risco da mudança de juros internacionais e, principalmente, o domínio do capital externo sobre o “mercado”, essa misteriosa força que comanda nossa agenda econômica e política.

 

Carlos Feu Alvim

[1] Dívida que começou em 1824, apenas dois anos após a independência, quando o Imperador Pedro I solicitou empréstimo 3 milhões de libras a bancos ingleses, dos quais cerca de 1,3 milhões ficaram retidos para pagamento da dívida de Portugal. http://www.abphe.org.br/arquivos/maria-teresa-ribeiro-de-oliveira.pdf