Índice Fase Anterior

Fase Anterior:  1996 -2014

Possível Crescimento:
Como voltar a crescer 7% ao ano:

·         Ano X -No 58: Outubro – Novembro 2005

·         Energia e Economia

·         Avaliação das Emissões de CO2 pelo Uso do Processo “Top-Down Estendido” entre 1970 e 2004

Ano X -No 56: Junho- Julho 2006

Avaliação do Impacto do Incremento da Produtividade de Capital sobre o Crescimento Econômico

Nova Versão Módulo Macroeconômico do Programa projetar_e Fundamentação do Cálculo e Resultados para Cenário de Referência

Acompanhamento de Termos de Parceria e&e MCT:

1. Bases para Programa de Incremento de Produtividade de Capital

2. Consolidação do Balanço de Carbono

Ano X -No 54  Fevereiro – Março 2006

Enriquecimento de Urânio no Brasil            

Saldo Comercial e Valorização do Câmbio Real  –  Projeções para  2006

Ano X -No 55: Abril- Maio 2006
 A Evolução da Concentração de Metano na AtmosferaResultados para Cenário de ReferênciaVariáveis determinantes do Crescimento no Brasil
Nota 1:A Poupança Interna
Ano IX -No 52  Outubro/Novembro 2005

O Espírito Santo Vai Virar Bolívia

Balanço de Carbono nas Emissões Causadoras do Efeito Estufa
e no Uso e Transformação de Energia no Brasil:
Comparação das Emissões nas Metodologias
“Top-Down” Estendida e “Button-Up”
– Análise de Resultados e Conclusões. 
 

Alternativa ao Protocolo Adicional a
Acordos de Salvaguardas Nucleares com a AIEA

Ano IX -No 53 Dezembro 2004 /Janeiro 2005

A Organização Economia e Energia e&e é reconhecida como OSCIP

Produtividade de Capital: A Organização e&e e o Ministério da Ciência e Tecnologia Assinam Termo de Parceria

Conclusão da Fabricação e Montagem dos Internos e do Vaso de Pressão do Reator do LABGENE .     

Ano IX -No 50 Maio/Junho 2005 

Estoque de Capital na América Latina: 1950-2000

O Balanço de Carbono nos Centros de Transformação de Energia

Ano IX -No 51 Agosto/Setembro 2005

O Gás Natural na Bolívia: Riscos e Oportunidades

Petróleo no Brasil  

Balanço de Carbono: A Contabilidade das Emissões nas Metodologias “Top-Down” Estendida (“Top-Bottom”) e “Bottom-Up”

Ano IX  No 48  Janeiro/Fevereiro  2005

Entrada em Vigor do Protocolo de Quioto

Estimativa do Teor de Carbono no Gás Natural Seco Usando-se a Diferença entre os Poderes Caloríficos Superior e Inferior

O Balanço de Carbono na Produção, Transformação e Uso de Energia no Brasil – Metodologia e Resultados no Processo “Top-Bottom” para 1970 a 2002.

Ano IX -No 49 Março/Abril 2005 

O Futuro do Sistema Elétrico Brasileiro

Um “Porto de Destino” para  o Sistema Elétrico Brasileiro

Características dos Sistemas Elétricos Integrados do Brasil e sua Projeção até o Horizonte de 2035

Anexo 1: Nota Metodológica  sobre Modelo Simples de Simulação de Sistemas Hidrelétricos

Anexo 2:  Cenário Macroeconômico de Referência

Anexo 3: Projeção da Demanda de Energia Elétrica com base na Energia Equivalente

Anexo 4: Nota Metodológica sobre a Introdução de Térmicas em Sistema Predominante Hidrelétrico com Auxílio de um Modelo

Ano VIII  No 46  Setembro/Outubro 2004 
 Estado Pequeno & Grandes Empresas A Prospectiva Tecnológica: Previsão com um Simples Modelo Matemático (2)De Volta ao PetróleoEvolução do Investimento no Brasil
Ano VIII  No 47 Novembro /Dezembro 2004
 Preços de Petróleo: O Terceiro Choque?Álcool como “Commodity” InternacionalPromoção do Uso da Energia Solar para Aquecimento de água no Setor ResidencialRecursos Energéticos do Brasil: Petróleo, Gás, Urânio e Carvão
Ano VIII  No 44  Maio/Junho 2004 

Metodologia Simplificada para Estimativa da Evolução da Produtividade de Capital

Produtividade do Capital: uma Limitação a mais 
ao Crescimento Brasileiro

As inspeções nucleares no Brasil e o mictório público francês.

O Tratado de Não-Proliferação Nuclear TNP.

Ano VIII  No 45  Julho/Agosto 2004


A Prospectiva Tecnológica : Previsão com um Simples Modelo Matemático
Mais Trabalho e Emprego com o mesmo Capital ou Como Incrementar a Produtividade de Capital

Ano VIII  No 42  Janeiro/Fevereiro 2004

Desenvolvimento Sustentável
Desemprego
Distribuição do Potencial Hídrico em uma Bacia Hidrográfica
A Produtividade do Capital no Brasil de 1950 a 2002

Ano VIII  No 43  Março/Abril 2004

Avaliação da Produtividade de Capital no Brasil no Século XX.

Balanço de Carbono

O Brasil e o Protocolo Adicional ao Acordo de Salvaguardas com a Agência Internacional de Energia Atômica.

Informações sobre as Salvaguardas Nucleares e o Protocolo Adicional

Novas Leis Regulamentam o Setor Elétrico

Ano VII No 40 Setembro/Outubro 2003 
Análise Energética BrasileiraEnergia Equivalente BEN 49 X 46
Ano VII  No 41  Novembro/Dezembro 2003

Inflação

O que afeta as Exportações Brasileiras?

Emissões Energéticas – Brasil 1970 / 2002

Alguns Índices de Inflação Brasileiros

Índices de Preços Americana

Ano VII No 38 Maio/Junho 2003 
 A Nova EconomiaO “Black”A Cotação do Dólar e a Balança ComercialSão as Novas Salvaguardas Nucleares Seguras?
Ano VII No 39 Julho/Agosto 2003
Economia e Energia No 39 – Pagina PrincipalÍndices de Preços AmericanosÍndices BrasileirosProspecção EconômicaBrasil – Energia em 2002Utopia na Saúde
Ano VII No 36 Janeiro/Fevereiro 2003

Câmbio de “equilíbrio”

O uso somente pacífico da energia nuclear

Aplicação da Termodinâmica para a avaliação do equilíbrio das redes fluviais – a bacia do rio Santo Antonio

Se Athina Onassis investisse no Brasil

O comércio irregular do Álcool

Ano VII No 37 Março/Abril 2003Economia e Energia No 37 – Pagina Principal

Cotação do Dólar Comercial

Emissões Energéticas:

1. O programa benemis_e

2. Resultados

3. Como Usar o Programa

Ano VI No 34 Setembro/Outubro 2002
Álcool  Revisitado
Avaliação  Preliminar do  Potencial de Produção de Etanol da Cana de Açúcar. 
O Presidente da República condecora o ex-Ministro Camilo Penna com a mais alta condecoração
Nossa Utopia: O Crescimento Econômico em uma Sociedade Democrática e mais Justa ou Nova Utopia 1
Ano VI No 35 Novembro/Dezembro 2002
Planejamento de  Longo  Prazo
Energia e Economia no Brasil 1970-2000
Taxa de Juros para Aumentar a Poupança Interna e Voltar a Crescer
Monopólio Estatal do Petróleo Revisitado
Polêmica do Álcool:

Descaminhos do Planejamento.
Ano VI  No 33 Julho/Agosto 2002

Geração de Energia Elétrica no Horizonte 2020 e Angra III
Resumo Executivo
 – Texto completo
Brasil – Energia em 2001Principais Indicadores
A Fantasia Desfeita

Ano VI  No 32 Maio/Junho 2002
O Sistema Elétrico Brasileiro
A Nova Utopia
Carta aberta com destinatário fechado
Ano VI  No 31 Março/Abril 2002

Balanço Energético e de Emissões 

Álcool X MTBE

Voltar a Crescer
Dívida  Pública e Reservas do Brasil

Ano VI – No 30 Janeiro/Fevereiro 2002

Prospecção Tecnológica

A Caminho do Desenvolvimento Sustentado 

Matriz Energética e de Emissões

Setor Residencial

Setor Transportes
Dívida  Pública e Reservas do Brasil

Ano V – No 29 Economia e Energia No 29

 Novembro/Dezembro 2001

Matriz Energética e de Emissões
Apresentação
Relatório Executivo

Projeto MCT
Setor Serviços
Análise Crítica de Resultados
Dívida  Pública e Reservas do Brasil
Especial Crise Argentina
Argentina tem Peso
Plano de Convertibilidade 2

Ano V – No 28 Economia e Energia No 28 – Pagina Principal  Setembro/Outubro 2001

Razão Capital/Produto no Brasil e em Países da OCDE
Matriz Energética
Módulo Setorial da Matriz e&e de Energia e Emissões
Setor Agropecuário
Setor Industrial  
Emissões Setoriais: Texto Completo para Download

Ano V – No 27 Julho/Agosto  2001

Faltam Investimentos e não é só em Energia
Planejamento Energético x Desenvolvimento Econômico e Social
Matriz Energética

Fatos Básicos
Módulo Setorial
Dívida  Pública e Reservas do Brasil

Ano V – No 26  Maio/Junho 2001

A Crise de Energia Elétrica – Causas e Soluções
Valor Agregado por Setor e o Consumo de Eletricidade

Como lidar com o “Ano Seguinte”

Como Fica sua Conta de Luz Residencial

A Exportação de Produtos Intensivos em Eletricidade 

Informações Relevantes sobre o racionamento

O Fenômeno Energético 
ou Salvem Nossos Netos

Ano V – No 25 Março/Abril 2001

Aplicação de Coeficientes da Matriz de Emissões
Dívida  Pública do Brasil 
Setor Energético 2000 
Aplicação de
 Coeficientes da Matriz de Emissões
Coeficientes de Emissão em Veículos Pesados 
Emissões em Veículos Pesados
Emissões em Veículos Leves

Ano V – No 24  Janeiro/Fevereiro  2001

Elaboração da Matriz Energética:
Metodologia e Aplicações
Demanda Energética e Emissões no Setor Doméstico
Obtenção de Coeficientes da Matriz de Emissões

Ano IV – No 23  Novembro /Dezembro 2001

Estudo Termelétricas
Cenário Econômico de Referência
Demanda de Energia Equivalente
Demanda de Energia Elétrica 
Geração Termelétrica 2000-2020
Centrais por Tipo de Combustível na Geração
Capacidade de Geração Térmica Necessária
Emissões em Termelétricas
Conclusões

Ano IV – No 22  Setembro/ Outubro 2000

Matriz Energética 
Projeto Matriz Energética
Módulo Macroeconômico
Módulo Energia Equivalente
Energia para o Transporte
CNPE : Decreto– Lei

Ano IV – No 21  Julho/ Agosto 2000 
Frota e Consumo de Veículos Leves no Brasil
O Futuro do Carvão Vegetal na Siderurgia
Sinopse Energética
Ano IV – No 20  Maio/Junho 2000
Carvão  Vegetal e  Efeito  Estufa:
* na Produção

* na   Siderurgia 
Combustível  Binário  Álcool -Diesel
Ano IV – No 19  Março/Abril 2000
O Modelo Macroeconômico Simplificado e&e Projetar – Aplicação para as Duas Próximas Décadas
Adição de Compostos Oxigenados na Gasolina e a Experiência do PROÁLCOOL
Setor Energético – Destaques 1999
Ano IV – No 18  Janeiro/Fevereiro 2000
Energia Equivalente 
Saúde – Rede Sarah 
Energia: Nova Era
Ano III – No 17  Novembro/Dezembro 1999
Petróleo e Gás Natural no ES
Emissões de Gases do Efeito Estufa por Termelétricas
O consumidor ganhando poder de mercado no setor elétrico?
Ano III – No 16   Setembro/Outubro 1999
Energia Equivalente e PIB
O Fim da Modernidade?
Evolução da Frota de Veículos no Brasil
Ano III – No 15  – Julho/Agosto 1999
Política Cambial Brasileira 
Perspectivas da Indústria Brasileira
Ano III – No 14  Maio/Junho 1999
A Nova Era do Petróleo
Setor Energético 1998/1999
Dívida Pública Brasileira
Ano III – No 13  Março/Abril 1999
Privatizações na área energética
Estrutura da Crise
Coeficientes de Equivalência Energética
Glossário de Termos Energéticos
Ano III – No 12  Janeiro/Fevereiro 1999
Matriz Energética e&e
Otimismo em Tempos de Crise
Análise Exergética da Agricultura
Ano II – No 11 Novembro/Dezembro 1998
O Estado Regulador no ES 
Eletricidade no BEN
A Organização  Não Governamental  –  e&e
Concordata e Dívida Pública
Ano II – No 10 Setembro/Outubro 1998
Gasoduto Bolívia – Brasil
Balanço Energia Útil
Termelétrica do Norte do ES
A crise Brasileira
Ano II – No 9 Julho/Agosto 1998
Economia e Termodinâmica
Acumulação de Capital na Economia Brasileira 
Crescimento Econômico 1997 a 2010
BEN98
Ano II – No 8 Maio/Junho 1998
Setor Energético – Organização Institucional
O Brasil em Kyoto
O Dr. Camilo Penna
Por dentro de um Brasil real
Carta da Câmara de Energia do ES
Consultas a e&e
Ano II – No 7 Março/Abril 1998
Eficiência  do Motor  de Combustão Interna
Vendas e Frota de Veículos Otto no Brasil
Setor Energético- Destaques em 1997
Como Aumentar a Produtividade de Capital
Ano II – No 6 Janeiro/Fevereiro 1998
Projeto Energético do ES
Reservas Internacionais II
Demanda do Ciclo Otto
Dívida Pública Brasileira 
Equipe e&e
Ano I – No 5 Novembro/Dezembro 1997
Biomassa e Geração Elétrica
Energia e Organização Sócio-Econômica
Reservas Internacionais I
Equipe e&e
Ano I – No 4 Setembro/Outubro 1997
Depleção de Petróleo
A Dívida Brasileira
Neointervencionismo
Co-geração no ES
Equipe e&e
Ano I – No 3 Julho/Agosto 1997
Alquimia Econômica
Destaques do Setor Energético
Proposta para Kyoto
BEN 1997
Equipe e&e
Ano I – No 2 Abril/Maio 1997
Entropia e Economia
Energia no ES
Mercosul
Balanço Energético 
Equipe e&e
Ano I – No 1  Fevereiro/ Março 1997
Apresentação
A Produtividade do Capital
O Brasil e a Mudança do Clima
Exaustão do Petróleo
Equilíbrio Instável
O Capital Nacional
Quem Somos
Ano I – Número Zero / Dezembro 1996
Apresentação
Futurologia
Déficit Público
Os Limites da Competência
Quem Somos